terça-feira, 26 de junho de 2012

Informação sempre cai bem!



Comer fora para o intolerante à lactose se torna bem mais complicado, falta informação nos cardápios, nas etiquetas e pessoal mais bem treinado no atendimento de pessoas com restrições alimentares.


Cardápios 

Parece óbvio que um cardápio seja um cardápio, mas tem aqueles que não revelam nada do que você precisa saber para comer um prato e não ter nenhuma surpresa desagradável depois. É muito comum pedir um prato descrito aparentemente sem lactose e receber de brinde um queijo ralado por cima.  Seria interessante que os cardápios indicassem todos os ingredientes dos pratos, assim pediríamos a substituição, caso fosse preciso. Mais simpático ainda seria a indicação de pratos isentos de lactose no próprio cardápio. Há restaurantes que ao colocar cartões indicativos nos pratos, tem o cuidado de colocar observações quanto às suas restrições. Lugares assim indicam respeito e cuidado com os clientes. São atitudes simples, mas que fazem a diferença.


Etiquetas 

Assim como os cardápios, as etiquetas nem sempre informam tudo o que é preciso saber, muitas vezes apresentam o nome, o peso, o preço e a validade do produto, mas faltam os ingredientes. Isso é muito comum em padarias e lanchonetes que oferecem produtos de fabricação própria. Assim como no caso dos cardápios, seria mais simpático incluir a indicação de alimento isento de lactose, quando couber, mas já ajuda bastante indicar os ingredientes.


Treinamento


Você chega naquele restaurante que sempre quis conhecer e às vezes os problemas começam no atendimento. O pior é que muitas vezes esses problemas não se restringem à falta de conhecimento das restrições alimentares, mas na falta de conhecimento dos próprios produtos que estão oferecendo. Você fica inseguro de comer qualquer coisa num lugar em que ninguém sabe informar os ingredientes dos pratos. Aí nessas situações você acaba perdendo a vontade e a fome. O ideal seria que existissem cardápios completos e pessoal treinado, mas na ausência de um serve o outro.

Delícias Juninas (sem lactose)



Bolo de milho
Ingredientes:
3 ovos
1 lata de milho verde (colocar com a água da conserva)
1 lata (medida) de farinha de milho
1 lata (medida) de açúcar
1/2 lata (medida) de óleo
1 garrafinha de 200ml de leite de coco
1 pitada de sal
1 colher de sopa de fermento em pó

Preparo:
Bater bem tudo no liquidificador e colocar em fôrma untada com óleo. Levar ao fôrno por cerca de 40 minutos.

Munguzá (Canjica) 

Ingredientes: 

1 pacote de 500g de milho branco
2 garrafinhas de 200ml de leite de coco
1 litro de água ou o quanto baste para cozinhar o milho
5 paus de canela 
10 cravos  
1 xícara de açúcar  
1 colher de sopa rasa de sal

Preparo:

Coloque o milho de molho na água de um dia para o outro. Despreze a água e coloque o milho para cozinhar na panela de pressão com mais um litro de água ou o quanto baste para cozinhar. Quando a panela de pressão começar a chiar conte em torno de 30 minutos. Depois abra a panela e verifique se o milho está macio e cozido. Acrescente mais água se for preciso, as duas garrafinhas de leite de coco, a canela, os cravos, o açúcar e o sal. Baixe o fogo e misture bem e deixe cozinhar até engrossar um pouco. Em torno de 10 a 15 minutos o mugunzá está pronto. Ao servir, polvilhe um pouco de canela em pó.

Canjica (Curau) 

10 espigas de milho verde
Água ( o quanto baste para bater o milho no liquidificador) 
1 garrafinha de 200ml de leite de coco
Açúcar a gosto
5 paus de canela 
10 cravos  
1 colher de sobremesa rasa de sal

Preparo:

Com uma faca, retire o milho da espiga. Bata aos poucos no liquidificador acrescentando um pouco de água. Após bater tudo, passe na peneira espremendo bem para sair todo o líquido. Despreze o que ficou na peneira. Em uma panela, coloque a mistura acrescentando o leite de coco, o açúcar, a canela, os cravos e o sal. Vá mexendo sempre sem parar até cozinhar bem e adquirir a consistência de um mingau grosso. 

O que comer? Onde comer?

Quando se descobre a intolerância à lactose as questões que mais nos consomem no início são o que comer e onde comer.
A primeira impressão é que nunca mais poderemos comer fora de casa.
O mundo gastronômico parece que não foi feito para nós.
Aí quando surge aquele desejo enorme de comer um bolo de chocolate ou uma torta de frango, só nos resta ir à cozinha fazer.
Pelo menos assim, nos certificamos do preparo e temos garantia de que não iremos passar mal depois.
A vida social se complica.
Quando somos convidados para uma festa ou refeição na casa de amigos, nunca sabemos o que nos espera.
Se comemos antes de ir, soa como falta de confiança.
Se avisamos do problema criamos preocupação em quem convida.
Aos poucos, a gente começa a decifrar rótulos, testa adaptações em receitas, descobre locais simpáticos aos intolerantes à lactose e a vida segue com o retorno do prazer de comer e sair pra comer.
Tudo se torna mais simples e fácil de conviver.
Com o propósito de facilitar ainda mais a vida de quem tem intolerância à lactose foi criado o "Achei sem lactose".
Aqui serão compartilhadas informações sobre locais onde comer, produtos sem lactose e receitas já adaptadas e testadas.
Sejam todos bem-vindos!